CategoriesATM,  Imprensa,  Tráfego Aéreo

Céus abertos para o vanguardismo da aviação brasileira

Brasil é considerado um dos cinco países mais desenvolvidos do setor e pode ganhar destaque em próxima eleição do órgão máximo da aviação no mundo

 O Brasil tem reafirmado seu papel de liderança e protagonismo na aviação civil mundial. A mais nova prova disso é a candidatura do Brigadeiro do Ar Ary Rodrigues Bertolino ao cargo máximo da maior entidade do segmento: Secretário-Geral da Organização de Aviação Civil Internacional – OACI, também conhecida por sua sigla em inglês ICAO, agência das Nações Unidas formada por 193 países e responsável por  promover o desenvolvimento seguro e ordenado da aviação civil mundial, por meio do estabelecimento de normas e regulamentos necessários para a segurança, eficiência e para proteção ambiental.

Sua indicação pode, portanto, consagrar a trajetória bem-sucedida do Brasil no controle de tráfego aéreo e o país como uma das principais lideranças no mundo na aviação civil internacional.

Conhecido por sólida experiência na área, visão ampla do setor, liderança, bom trâmite internacional e bom humor, Brigadeiro Bertolino ocupa hoje o posto de assessor aeronáutico da Delegação Brasileira na OACI, em Montreal, no Canadá e de Representante Alterno no Conselho da OACI. Sua candidatura ao cargo máximo da instituição se deu em função do seu conhecimento em administração de organizações complexas nos âmbitos regional, nacional e internacional, em recursos humanos, computacionais e financeiros em benefício dos Estados Membros da Organização.

Brigadeiro do Ar Ary Rodrigues Bertolino

Destaque internacional

Ao todo, são mais de 24 anos dedicados à OACI, exercendo, entre outros cargos, a vice-presidência do Grupo do Caribe a América Latina (LAC3) da CANSO, a relatoria do Grupo de Trabalho de Automatização e Base de Dados do Subgrupo AIS do Grupo Regional de Planejamento e Execução do Caribe e América do Sul (GREPECAS), além da atuação como membro do Painel para o Uso Aeronáutico da Internet Pública. Nos últimos quatorze anos, teve sob a sua supervisão a Agência Regional de Monitoração das Regiões do Caribe e América do Sul (CARSAMMA). Atualmente, exerce a função de Vice-Presidente do Grupo Regional de Planejamento e Execução do Caribe e América do Sul (GREPECAS).

Paralelamente, construiu sua trajetória como docente, instrutor, e assessor estratégico e chefe do Departamento de Efetividade Institucional do Colégio Interamericano de Defesa (IADC), em Washington DC – EUA.

Legitimamente brasileiro

Seu legado em solo e no céu brasileiro não é menos importante. Brigadeiro Bertolino já esteve à frente de diversos e relevantes projetos de desenvolvimento do tráfego aéreo no país: do planejamento de grandes eventos do Brasil como Rio + 20, Jornada Mundial da Juventude, Copa das Confederações 2013, Copa do Mundo FIFA 2014 e Jogos Olímpicos 2016, implantação do Sistema SISNOTAM no Brasil e no Uruguai, depois participar da ativação do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), uma nova Unidade da Força Aérea,  e da Central de Transporte de Órgãos do Ministério da Saúde dentro do CGNA, entre inúmeros outros projetos e iniciativas.

Parcerias

De acordo com o Brigadeiro, para o efetivo desenvolvimento da aviação no mundo é fundamental a parceria entre os entes do setor, a indústria e as universidades. “No Brasil, por exemplo, a Força Aérea Brasileira tem entre  suas parceiras,  a Atech, do Grupo Embraer,  que nas últimas duas décadas tem atuado em conjunto com a FAB para o domínio do sistema de trafégo aéreo, chegando hoje à  evolução e inovação de  soluções para a gestão e defesa de 100% do espaço aéreo brasileiro”, destaca ele, ao ressaltar que esse cenário tem contribuído para colocar o país entre os maiores players do segmento. No âmbito acadêmico, ele explica a relevância de uma atenção especial às universidades. “É fundamental trabalhar o conhecimento e a inovação para garantir a qualidade dos serviços nas próximas gerações”.

Desafios da aviação

Mas qual o futuro da aviação no mundo? Quais as pautas prioritárias que a OACI tem que abraçar nos próximos anos?

Para o Brigadeiro Bertolino, o segmento da aviação foi um dos mais impactos pela pandemia e deve ser um dos últimos a se recuperar, exigindo da OACI a condução do processo de retomada. “É um grande desafio trazer de volta a confiança do passageiro em suas viagens, mas precisamos de medidas para que isso aconteça de forma gradual e segura”, destaca.

Atech é parceira da FAB no desenvolvimento de sistemas para controle do espaço aéreo brasileiro

Outra grande bandeira está relacionada ao descompasso da inovação e da criação de normas regulamentadoras para o setor. “A aviação tem como uma de suas características principais a inovação, contudo, ela anda em uma velocidade muito maior que o processo de criação ou alteração de uma norma. Não podemos esperar, por isso devemos adotar mecanismos para agilizar a incorporação das inovações tecnológicas às publicações da OACI, muitas vezes isso pode ser feito com mudanças simples, em um processo de decisão colaborativa”, explica Bertolino, ao ressaltar que ainda é importante considerar as especificidades, capacidade de investimento, e de demanda de tráfego de cada país.

A disseminação e a popularização dos drones também é uma pauta relevante. Segundo o Brigadeiro Bertolino, a OACI apresentou um estudo recentemente destacando que, em uma cidade como Paris, daqui a cinco anos, a expectativa diária de circulação é de mais de 87 mil equipamentos. “Será preciso a um bom planejamento para o gerenciamento desses drones no mesmo espaço aéreo que as aeronaves”.

O candidato à secretário-geral na ICAO pontua também o novo cenário que deve surgir com a implantação, por diversos países, do ADS-B Satelital (Sistema de Vigilância Dependente Automática por Radiodifusão) de aeronaves, para a vigilância global de tráfego aéreo. “Certamente será um tema palpitante da instituição nos próximos anos”.

Por fim, o Brigadeiro Bertolino elencou a questão do meio ambiente como uma pauta relevante para ser debatida entre os países. “Há uma necessidade de buscar uma equalização entre a importância da preservação do meio ambiente e a força econômica ligada às empresas e aos países”.

A eleição para a cargo de secretário-geral da OACI será realizada em Montreal, entre fevereiro e março de 2021. Brigadeiro Bertolino afirma que, caso conquiste o posto, terá como foco a resolução de questões internas e externas com ética e transparência, priorizando a motivação e o bom ambiente de trabalho na instituição e suporte total ao Conselho em sua missão de definir as políticas e estratégias. Fomentará uma maior participação feminina no staff da OACI. Outro ponto importante será dar representatividade a todas as regiões do mundo, dentro da OACI. Além disso, abrirá um amplo canal de diálogo com todos os stakeholders da aviação e adotar medidas para benefício de todos os Estados Membros.

O Brigadeiro Bertolino será o Secretário Geral de todos os Estados-Membros.

CategoriesATM,  Tráfego Aéreo

A importância da autonomia do conhecimento em momentos de crise

por Marcos Resende, diretor de negócios da Atech

Não há dúvidas de que a crise causada pela pandemia do novo coronavírus tem muito a nos ensinar. Afinal, parece que são nas fases de maior dificuldade que nos deparamos com momentos mais reflexivos e atentamos para questões que envolvem não apenas o nosso cotidiano, o nosso universo particular, mas também o de outras pessoas. Parece óbvio dizer o quanto o coletivo impacta as nossas vidas, mas com o novo coronavírus realmente nos demos conta disso, de como nos afeta em diferentes esferas.

É comum também levarmos nossas memórias para eventos passados e traçar paralelos entre a crise corrente e outros momentos críticos, como guerra ou épocas de escassez aguda de um recurso.

No presente momento, as principais dificuldade encontradas têm sido a falta de recursos em diferentes segmentos. Da mesma forma que ocorre em situações de guerra, tem-se notado a insuficiência de profissionais da área da saúde para suportar as atividades do dia a dia, assim como a carência de materiais de proteção individual para aqueles que estão trabalhando na linha de frente e a ausência de equipamentos médico hospitalares.

Um caso que ganhou notoriedade nos noticiários brasileiros foi o dos respiradores artificiais adquiridos por diversos estados e que ficaram retidos no exterior. Segundo informações publicadas pelos veículos de comunicação, a empresa que vendeu os produtos para o Brasil cancelou a compra sem motivo aparente e que os mesmos acabaram sendo utilizados no combate ao novo coronavírus em outro país, que teria acertado pagar um valor maior à empresa que vendeu os equipamentos. O ocorrido causou uma distensão não imaginada na sociedade e nas relações entre os países envolvidos.

Diante desse ocorrido, há um questionamento que certamente passou pela cabeça de muitos brasileiros: por que nosso país é tão dependente de insumos de tecnologias vindas de fora?

Em situações como a que ocorreu com o Brasil é que percebemos a importância do conhecimento e das técnicas produtivas para o desenvolvimento dos recursos necessários para o enfrentamento da pandemia, ou de qualquer outro episódio que condicione o país a uma situação de evento não preditivo.

Mesmo para os países que possuem autonomia do conhecimento, a situação não é das mais favoráveis. Imagine para aqueles que dependem quase que totalmente dos insumos vindos do exterior. O estado se vê obrigado a desenvolver ou criar formas alternativas de suprir esta negação e buscar alternativas de produção a qualquer preço, sob pena de perder vidas durante os momentos mais graves.

No entanto, o desenvolvimento do conhecimento e de tecnologias críticas para uma nação é, geralmente, difícil e demorado e envolve questões como geração, transferência, absorção/adaptação e utilização. Para que isso saia do papel, é necessário consolidar uma visão estratégica em momentos de calmaria e prosperidade.

A visão estratégica da Força Aérea Brasileira (FAB) na consolidação de conhecimentos críticos para operação dos sistemas de gerenciamento de tráfego aéreo e de defesa aérea é um bom exemplo de autonomia tecnológica no país. E, desde os anos 1990, a organização vem investindo amplamente neste segmento. Primeiro com o sistema X-4000 de controle de tráfego aéreo, que permitiu a independência tecnológica e a sedimentação de conhecimento no país, e, a partir de 2011, com o Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações de Tráfego Aéreo e Relatórios de Interesse Operacional (SAGITARIO), ambos desenvolvidos pela Atech, empresa nacional e pertencente ao Grupo Embraer. Antes do X-4000 e do SAGITARIO, o sistema utilizado era importado e a cada atualização ou necessidade de manutenção o Brasil ficava refém do país desenvolvedor da solução. O SAGITARIO trouxe autonomia, modernidade, flexibilidade e melhor aproveitamento dos profissionais brasileiros para o gerenciamento do espaço aéreo nacional, para além dos benefícios relacionados diretamente à nossa economia, tendo se tornado um produto tipo exportação.

Embora estivesse há muitos anos utilizando os sistemas vindos do exterior no segmento de tráfego aéreo, a FAB se planejou e deu início à sua jornada de independência muito antes de 2011, reforçando o real valor do investimento na formação, desenvolvimento e manutenção de tecnologias próprias. Esse projeto não teria ganhado vida sem visão estratégica, planejamento, defesa da indústria e da capacitação nacional.

Na globalização, o vínculo entre conhecimento, poder, desenvolvimento e tecnologia é responsável pelo estabelecimento de diferenças econômicas e posições comerciais. Países como o Brasil, que estão em desenvolvimento e almejam ser menos dependentes devem se concentrar no estabelecimento de estratégias que elevem sua autonomia tecnológica, investindo em soluções próprias para problemas específicos, essencialmente os que tenham ligação estreita com setores-chave da economia, além de empregar esforços efetivos e contínuos em programas de pesquisa e inovação, incentivos ao desenvolvimento nacional, manutenção de conhecimentos críticos, desenvolvimento da indústria e preservação de empregos.

CategoriesImprensa

CISCEA E Atech realizam testes de aceitação em fábrica 100% remoto 

por 1o Ten. REP Camille Barroso/CISCEA

Em tempos de pandemia, a Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA), encontrou uma forma inovadora de dar continuidade às
suas atividades e manter o cronograma dos projetos previstos para este ano, minimizando os impactos nos compromissos contratuais pré-estabelecidos.

Pela primeira vez, a CISCEA conduziu o evento de FAT (Teste de Aceitação em Fábrica, do inglês Factory Acceptance Testing) do SAGITARIO (Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações de Tráfego Aéreo e Relatórios de Interesse Operacional) inteiramente remoto. O teste tem como objetivo garantir a qualidade e eficácia das novas funcionalidades do Sistema através de um ambiente simulado, retratando o cenário mais fidedigno possível da realidade operacional. O SAGITARIO é um sistema que passa por constantes atualizações, para aperfeiçoamento de suas funcionalidades e melhorias, com intuito de adap- tar-se às características específicas de cada Centro, mantendo-se sempre compatível com os demais sistemas integrados e implantados no Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (Sisceab).

Leia a matéria publicada pela revista Asas, na íntegra, abaixo ou clicando em: noticias atech (1)

Publicação na Revista Asas

 

 

CategoriesImprensa

AIREON DATA SUCCESSFULLY INTEGRATED WITH ATECH SAGITARIO SYSTEM

AIREON DATA SUCCESSFULLY INTEGRATED WITH ATECH SAGITARIO SYSTEM

MCLEAN, VIRGINIA – October 21, 2019 – Aireon and Atech Negocios em Tecnologias S/A announced today that space-based Automatic Dependent Surveillance-Broadcast (ADS-B) data has been successfully integrated into SAGITARIO, Atech’s Air Traffic Control (ATC) automation platform, utilized by Brazilian Department of Airspace Control (DECEA).

SAGITARIO fuses space-based ADS-B data with other surveillance sources, like ground-based ADS-B, radar and Multilateration (MLAT). This can provide Atech customers, like DECEA, complete air traffic control, gate-to-gate from origin to destination airport. As of today, Atech has validated system applicability in the Air Traffic Control (ATC) center environment, adhering to standards and recommended practices established by The International Civil Aviation Organization (ICAO), EUROCONTROL, European Union Aviation Safety Agency (EASA) and the Federal Aviation Administration (FAA).

This integration is the successful outcome of collaboration between Aireon and Atech. In November 2018, Aireon and Atech announced the signing of a Memorandum of Understanding (MOU) to incorporate Aireon’s space-based ADS-B data into a broad suite of Atech’s products.

Atech CEO, Edson Carlos Mallaco, stated, “Innovation is the core of both Atech and Aireon, and this integration project provides air navigation services around the world with a powerfully unified tool to improve services.”

The MOU also included the integration of Aireon’s space-based ADS-B data into the Atech’s SIGMA and SKYFLOW Air Traffic Flow Management (ATFM) platforms. This has also been completed, allowing users enhanced long-range flow management and cross-border traffic analysis. Aireon’s global coverage will help these platforms compute capacity and demand for pre-tactical situational awareness and improve collaborative decision making in the region. These products will be used by current customers, including DECEA and The Airports Authority of India (IAA).

“This integration will dramatically enhance collaborative decision making among countries with neighboring flight information regions,” said Aireon CEO Don Thoma. “We are glad to partner with Atech to deploy Aireon’s space-based ADS-B data to improve situational awareness and air traffic management environments in Brazil and around the world.”

Through their broad suite of air traffic management tools, Atech, an Embraer Group company, provides mission-critical decision support to leading ANSPs, many of which are Aireon’s ANSP customers.

“We are in the beginning stages, but we are thrilled to watch leading ANSPs, such as AAI and DECEA, benefit from this capability we are bringing to market with Atech,” said Thoma.

About Aireon LLC

Aireon has deployed a space-based air traffic surveillance system for Automatic Dependent Surveillance-Broadcast (ADS-B) equipped aircraft throughout the entire globe. Aireon is harnessing next-generation aviation surveillance technologies that were formerly ground-based and, for the first time ever, is extending their reach globally to significantly improve efficiency, enhance safety, reduce emissions and provide cost savings benefits to all stakeholders. Space-based ADS-B surveillance covers oceanic, polar and remote regions, and augments existing ground-based systems that are limited to terrestrial airspace. In partnership with leading ANSPs from around the world, like NAV CANADA, the Irish Aviation Authority (IAA), Enav, NATS and Naviair, as well as Iridium Communications, Aireon is providing a global, real-time, space-based air traffic surveillance system, available to all aviation stakeholders. For more information, please visit www.aireon.com.

About Atech

Atech, a leading systems integration company within the Embraer Group, is a world class air traffic management solutions and mission-critical systems company. With decades of experience developing and deploying state-of-the-art Air Traffic Control and Flow Management systems, we have grown to become a trusted partner to governments and corporations around the world. Atech’s comprehensive solutions portfolio enables Air Navigation Service Providers to implement gate-to-gate services safely and efficiently. For more information, please, visit www.atech.com.br.

Proudly powered by Wpopal.com